Perder o cartão de crédito é desagradável e pode ser bastante burocrático. Então, que tal deixar a carteira em casa e usar somente o smartphone para realizar todas as transações financeiras diárias?

Devido ao crescente uso do smartphone, o mobile payment entrou em cena e várias maneiras foram desenvolvidas para permitir que os consumidores paguem usando apenas o celular.

Mobile payment é qualquer pagamento feito por um dispositivo móvel. Desde pagar a conta do bar com o celular, pagar o pedido de delivery diretamente no aplicativo até passar o cartão no tablet do amigo.

Mobile Payment e o futuro

O papel da instituição financeira tradicional está mudando. As tendências na economia e tecnologia, as condições geopolíticas incertas e o aumento dos custos de vida fazem com que os clientes busquem mais economia e praticidade e, em alguns casos, evitem totalmente os bancos tradicionais.

Nos mercados emergentes, a penetração de internet e smartphones, bem como outras inovações em tecnologia, estão abrindo enormes oportunidades em pagamentos e remessas móveis.

Basta olhar para a China, potência tecnológica que lidera esse caminho com os aplicativos AliPay e WeChat Pay.

Lá, o dinheiro já passa por um sistema digital que combina mídia social, comércio e serviços bancários. Os consumidores podem pagar tudo pelos apps, cada indivíduo tem um QR code próprio e as transferências são gratuitas.

Quero receber conteúdos exclusivos

Tipos de Mobile Payment

Há uma variedade de sistemas de mobile payment que funcionam de maneira um pouco diferente. Alguns podem exigir que o smartphone esteja próximo a outro dispositivo que recebe o pagamento, como em pagamentos de comunicação em campo próximo (NFC), enquanto outros precisam apenas de uma conexão com a Internet.

A maioria dos sistemas de mobile payment pode ser encaixado em uma dessas:

Transações cotidianas

Tipo de mobile payment que ocorre em qualquer lugar. Você pode abrir um aplicativo em seu celular e pagar alguém por qualquer motivo.

O dinheiro geralmente é retirado diretamente de sua conta bancária, mas alguns serviços permitem que você mantenha o dinheiro em uma carteira digital para transferências mais rápidas.

Pagamentos de ponto de venda

Ocorrem no local onde você está comprando o serviço ou bem. Muitas lojas têm sistemas de mobile payment – POS, que tornam super fácil o processo.

Basta tocar o celular no leitor ou pressionar um botão para pagar a conta.

Pagamentos de ciclo fechado

Esses tipos de mobile payment são específicos de uma empresa, elas criam seu próprio sistema.

Starbucks, Walmart, Taco Bell, Subway e Sonic são algumas delas.

Pagamentos via operadora

O faturamento direto via operadora é uma forma de pagamento por meio da operadora de celular, em vez de usar detalhes bancários ou do cartão.

O pagamento é deduzido da conta telefônica ou do cartão SIM pré-pago.

Leitor de cartão

Algumas empresas oferecem um pequeno dispositivo que se conecta ao celular ou tablet e que pode ser usado para aceitar pagamentos de um cartão de débito ou crédito.

São perfeitos para pequenas empresas ou até mesmo pessoas que aceitam mobile payments.

Faça parte da nossa comunidade

Aplicativos de mobile payment

Os App’s para a realização desses pagamentos estão sendo lançados nas principais plataformas de aplicativos o tempo todo. O mobile payment está se tornando tão popular que alguns smartphones já vêm com o recurso nativo no dispositivo.

Apple Pay

Com o Apple Pay é possível fazer compras em diversos estabelecimentos, sem precisar precisar passar o cartão físico, e fazer diversas transações em aplicativos e sites compatíveis, sem precisar digitar os dados do cartão.

Em lojas físicas dois símbolos indicam suporte ao pagamento por NFC, basta aproximar o iPhone ou Apple Watch da máquina de pagamentos, tocar no Touch ID e pronto.

Outro recurso da Apple de mobile payment é o Apple Card. Sob a bandeira Mastercard e nenhuma taxa, o cartão digital investe forte na segurança. Não apresenta numeração, código de segurança, data de validade ou assinatura e gera um código diferente a cada compra.

Ativa uma notificação para todas as compras efetuadas e o Apple Maps também pode ser utilizado para identificar as compras ou lembrar o usuário onde a compra foi feita ao mostrar a localização exata no mapa.

Além disso, monta um relatório detalhado de gastos para ajudar na vida financeira e os clientes recebem dinheiro a cada transação feita com o serviço, a partir de um programa de cashback diário.

Samsung Pay

Semelhante ao Apple Pay, mas para os dispositivos Samsung Galaxy. O sistema realiza a maioria dos pagamento via NFC, mas também funciona quando apenas o MST (Magnetic Secure Transmission) está disponível, o que costuma acontecer em máquinas mais antigas compatíveis com os cartões de tarja magnética.

Seu sistema também procura garantir a máxima segurança das informações. Além de utilizar o leitor de impressão digital, a plataforma usa um padrão de token para proteger o número do cartão, assim, o sistema gera um código diferente a cada compra.

Google Pay

Não é um aplicativo nativo dos sistemas operacionais, mas oferece o serviço para IOS e Android.

O app Google Pay, só para Android, permite realizar compras online e é suportado em alguns locais selecionados. Antigamente se chamava Android Pay e Pay with Google.

O Google Pay para iPhone e Google Pay Send para Android é usado para enviar e receber dinheiro. É 100% gratuito e funciona em computadores, telefones e tablets. Antigamente se chamava Google Wallet.

Apps bancários

Permitem que você transfira dinheiro para outros usuários do mesmo banco sem taxas e usuários de outros bancos, muitas vezes, com altas taxas.

Esse recurso é disponibilizado no aplicativo do próprio banco. Bradesco, Banco do Brasil e Itaú são alguns exemplos.

Parece básico e óbvio, mas há pouco tempo atrás quase nenhum banco investia em um bom aplicativo. Para realizar um pagamento era preciso ir até uma agência física.

Atualmente, praticamente, todos os bancos disponibilizam um. Em paralelo, também é possível usar um aplicativo não bancário para realizar transações.

Apps não bancários

Os aplicativos que não são tecnicamente bancos, mas permitem que você mantenha um saldo e transfira dinheiro rapidamente para outras pessoas que usam o mesmo app. Alguns exemplos são:

  • WeChat – já se tornou um importante método de pagamento, tanto na China quanto no exterior. Era um aplicativo de mensagens que evoluiu para um sistema que permite aos usuários conversar, navegar e efetuar pagamentos.
  • O PayPal – é outro serviço de mobile payment popular que funciona muito bem. Com ele, você pode enviar ou solicitar dinheiro e armazenar dinheiro na conta para transferências instantâneas. Algumas lojas também aceitam pagamento via PayPal.

  • Facebook Messenger – pode não ser o seu primeiro pensamento quando se trata de pagamentos, mas ele permite que você envie dinheiro para seus amigos do Facebook.

Mobile Payment no Brasil

Por aqui, o mobile payment é uma tendência ainda cercada de controvérsias e que anda devagar, mas o Banco Central mantém um grupo de trabalho que discute a possível regulamentação do que chama de pagamentos instantâneos.

Já superamos a marca de um smartphone por habitante e o país conta com 220 milhões de smartphones ativos. E ainda, o brasileiro não usa o smartphone somente para as redes sociais, 74% usam em pelo menos uma etapa de compras online.

O report global da Worldpay sobre o comportamento do consumidor entrevistou mais de 16 mil pessoas em 10 mercados para descobrir as experiências e hábitos de consumo.

Os brasileiros que utilizam smartphone estão à frente da média mundial quando se trata de afinidade com os aplicativos móveis. Entre os entrevistados, 78% preferem comprar por meio de um aplicativo, ao invés dos navegadores para dispositivos móveis. A média global é de 71%.

Entre as principais razões para que os brasileiros escolham aplicativos ao invés de navegadores estão benefícios como velocidade e simplicidade. No entanto, a confiança é um fator que precisa melhorar.

Segurança é uma grande preocupação e uma das principais razões para o abandono de compra nos aplicativos móveis.

O report indica que dois terços dos brasileiros se sentem confortáveis em fornecer dados biométricos, como impressões digitais ou o reconhecimento facial, isso porque, além de adicionar mais segurança, torna o processo de pagamento mais rápido.

Ainda em 2016, a Amazon registrou um pedido de patente em 2016 que busca a máxima segurança nos pagamentos. A funcionalidade permite tirar uma selfie para pagar, em vez de qualquer senha.

Startups brasileiras de mobile payment

Somos berço de grandes talentos com um potencial gigantesco na área de finanças. Com a crescente necessidade de menor burocracia, maior segurança e praticidade nos pagamentos, o ramo das queridas fintechs está mais em alta do que nunca.

Nossa central de inteligência, o Dataminer, mapeou todo o cenário de fintechs e em breve iremos trazer dados em primeira mão em nosso próximo report. Fique ligado!

Para você ter uma noção, das 112 startups de pagamentos mapeadas, 22 são dedicadas a mobile payment. Isso representa 19,6% das startups.

Mas, vamos falar um pouco sobre os destaques brasileiros agora mesmo. Algumas delas, eu diria, grandes candidatas para se tornarem uma startup unicórnio.

RappiPay

Nascida em 2015 na Colômbia, chegou ao Brasil no final de 2018 como uma espécie de ‘concierge’ do consumidor brasileiro e recentemente recebeu a funcionalidade in-app, o RappiPay.

Na ferramenta, o usuário se cadastra com cartão de crédito, digita o número do telefone do destinatário e informa o valor que deseja transferir para a pessoa. A transferência, por ser P2P, é gratuita.

De acordo com o presidente da Rappi Brasil, a ideia é se transformar em uma plataforma completa e similar ao WeChat.

Em um segundo momento, o RappiPay poderá ser usado em estabelecimentos físicos parceiros da plataforma. Nesses locais, os consumidores poderão efetuar pagamentos via QR Code por meio de seus smartphones.

PicPay

Uma das pioneiras, criada em 2012, permite que pessoas transfiram dinheiro entre elas ou paguem estabelecimentos e contas através do aplicativo. Basta cadastrar o cartão de crédito, ou transferir uma quantia via boleto, e começar a realizar os pagamentos para pessoas ou empresas.

É simples, funcional e seus grandes diferenciais são o cashback no pagamento de contas e permitir que empresas operem com taxa zero, desde que esperem 80 dias para sacar o dinheiro.

Code Money

Nasceu em 2015 com o propósito de evitar os problemas comuns em máquinas de cartões, como demora, problemas de leitura e incompatibilidade de bandeiras.

O produto final é uma espécie de carteira digital. O consumidor baixa o aplicativo, carrega com o valor desejado e depois utiliza para efetuar compras em estabelecimentos parceiros.

Funciona como um cartão de débito, mas, em vez da máquina de cartão, o valor é transferido de celular para celular, do cliente para empresa. A transação leva aproximadamente 3 segundos para ser concluída, enquanto um pagamento com cartão pode levar até 30 segundos.

Celcoin

Lançado em 2016, o Celcoin é um aplicativo que transforma qualquer smartphone em um terminal para recebimento de contas, recarga de celular, jogos, passagens rodoviárias, planos de TV e até venda de créditos para Uber e Netflix

Atualmente, o foco de atuação da empresa se concentra nas regiões Norte, Nordeste e nas periferias de outras regiões por encontrar uma oportunidade de democratizar o acesso a transações financeiras.

Com a plataforma, autônomos, lojistas, microempreendedores e varejistas passaram a oferecer para seus clientes os serviços de recebimento de contas, recargas de celular, passagens de ônibus, planos de TV, jogos, bilhetes de transporte, tudo por meio do app. A cada transação que realizam eles recebem um bônus, que ajuda a compor uma renda extra.

Com os smartphones o tempo todo ao nosso lado e, ainda, o aumento da popularidade de smartwatches, eventualmente os cartões físicos se tornarão irrelevantes.

As startups podem oferecer soluções e inúmeras vantagens para pessoas e empresas, que irão se beneficiar da nova tecnologia de mobile payment. Embora ainda haja muito desenvolvimento a ser feito por aqui, a direção é clara.

Se a sua startup já está nesse caminho e busca por um investimento, não deixe de conhecer o Distrito Ventures. Nosso approach hands-on nos permite ter taxas de sucesso bem superiores às médias de mercado.

Investimos e trabalhamos com não mais de 6 startups por ano, fazendo o necessário, pelo tempo necessário, para garantir que todos conosco atinjam os milestones operacionais que são requisitos para a próxima rodada de funding.
Saiba tudo sobre o Distrito Ventures e a nossa área de investimento e cadastre sua startup!

Entre em contato.