A dinâmica da equipe é fundamental para o sucesso de uma startup. Para um fundador, muitas vezes, a empresa é a sua vida, por isso a equipe é muito mais do que apenas um conjunto de funcionários.

Algumas contratações erradas em uma grande empresa causam alguns problemas, mas geralmente não matam a empresa. Uma única contratação errada nos primeiros momentos de vida de uma startup, pode arruiná-la.

O produto em si, o problema e o tamanho do mercado são fatores importantes no momento dos investidores tomarem a decisão de investir ou não em uma startup, mas, o fator principal, acima de tudo, é a equipe.

Um empreendedor não precisa ter todas as características necessárias para o sucesso, mas ele precisa ser capaz de atrair outras pessoas que possam complementá-lo.

Tenha em mente que se o seu plano de negócios falhar, ele pode ser ajustado, mas se a sua equipe falhar, isso pode lhe causar um grande prejuízo, muitas vezes, sem volta.

Como montar um time numa startup

Principalmente nos estágios iniciais, a startup precisa de pessoas para abraçar a ideia e colocar a mão na massa, fazendo coisas que não são relacionados ao seu cargo, estas pessoas são os doers.

Antes de tudo, é preciso definir a quantidade de funcionários que são necessários para trabalhar na startup. Você pode ter como base, o modelo Blitzscaling, criado por Reil Hoffman, um dos criadores do LinkedIn e do PayPal.

Você irá começar com uma equipe de tamanho similar a uma família, de 2 a 3 pessoas e ir crescendo o time conforme a demanda aumenta. O ponto é entender a relação da receita que o negócio gera e a quantidade de funcionários necessários.

Também deverá definir alguns valores relacionados ao perfil de funcionário que a startup busca: o que é preciso, uma formação acadêmica de alto nível, experiência prévia, ou disposição de aprender e crescer junto à startup?

Se você está procurando qualidades e não competências, é importante saber o que a pessoa realmente fez na prática e não focar em seu currículo acadêmico.

Como as startups estão sempre mudando, crescendo, reestruturando e experimentando, é importante valorizar quem tenha a capacidade ou disposição de se ajustar e crescer junto com a empresa.

Ao montar um time numa startup, sempre priorize as pessoas que são:

  • Flexíveis e capazes de se ajustar à mudanças constantes;
  • Empreendedores por natureza e que têm paixão por novos negócios;
  • Podem ser facilmente multitarefa;
  • Líderes naturais;

Estes talentos podem ser encontrados em lugares incomuns, porque eles são menos propensos a procurar por um plano de carreira padrão.

O que uma boa equipe precisa ter

Toda startup precisa formar uma equipe de pessoas que estão prontas para assumir os papéis e fazer valer o seu tempo. Falando em papéis, vou listar os perfis mais importantes que toda startup deve ter:

1. O gênio: cada startup precisa de pelo menos um gênio para decolar. Essa pessoa vai ser responsável por desafiar e impulsionar o resto da equipe.

2. O superstar: é quem se dedica aos negócios e também realiza várias tarefas. Essa pessoa tem uma combinação de nerdice e carisma, que ajuda muito nos negócios. O gênio e o superstar podem ser a mesma pessoa.

3. O líder: cada startup precisa de um líder claro, isso não significa que ele é o mais bem pago ou tem mais capital, e ele não é necessariamente o CEO. Significa apenas que os outros olham para essa pessoa e estão dispostos a segui-la.

4. O veterano: embora as startups sejam frequentemente formadas em torno de novas ideias, é útil ter alguém que saiba como as coisas são feitas em um setor. O veterano da indústria já viu e sabe como todo mundo faz. O líder e o veterano podem vir na mesma pessoa.

5. A fera de vendas: startups com ideias brilhantes muitas vezes esquecem que alguém precisa vendê-las, por isso ter um vendedor forte na equipe ajuda a minimizar o risco. A combinação de visão técnica, autoridade do fundador e experiência em vendas é uma vantagem competitiva difícil de bater.

6. O sabe tudo de finanças: startups também precisam de pelo menos um talento financeiro. Na fase inicial é possível sobreviver sem um profissional especializado em finanças ou administração de empresas. Mas, em algum momento será necessário um auxílio financeiro e jurídico.

Ter uma equipe qualificada é a maior prova para receber uma boa rodada de investimento, mas mão de obra qualificada vem com alguns desafios: custa caro, é difícil de encontrar e de manter. Então, como montar o dream team?

No momento do recrutamento e de motivar os colaboradores de sua startup, é possível aplicar algumas práticas que já se provaram bem eficientes. Veja as principais delas abaixo:

Participação na empresa: Oferecer Equity

Assim como os fundadores distribuem parte da startup para investidores, eles podem distribuir partes dela para funcionários.

É uma ótima estratégia para atrair talentos de alto nível quando a startup ainda não possui capital suficiente para pagar a remuneração exigida pelo profissional. Por conta da distribuição de equity, a empresa pode oferecer uma remuneração fixa menor que a do mercado.

Certas qualidades em funcionários ou parceiros são difíceis de encontrar, e se você for uma startup em crescimento, precisará de toda a ajuda possível. Pode ser uma ótima maneira de incentivar o envolvimento de pessoas que agregam um valor a mais.

Oferecer equity para um funcionário costuma mudar seu envolvimento com ela, afinal, ele pode ganhar muito dinheiro se a startup crescer. Ou seja, com esse formato as empresas fazem com que os funcionários vistam a camisa e se dediquem ao máximo para que a empresa gere resultados.

Além disso, as regras de equity exigem que o funcionários fique alguns anos na empresa para ganhar o valor total de participação acordado.

É o vesting, ele serve para proteger os sócios, fazendo com que os funcionários ganhem o equity ao longo de regras pré-definidas e intervalo de tempo. Ele pode ser feito de duas maneiras básicas: por milestones (objetivos e metas) ou período.

O vesting mais comum de ser oferecido é aquele que possui um cliff de 1 ano e 4 anos de vesting da participação societária pelo funcionário. Cliff é o período em que o funcionário deve permanecer na empresa, porém não recebe participação societária e não pode exercer a compra dessa participação.

Na maioria das startups, o período de vesting costuma ser de 4 anos para a totalidade do equity. Se o funcionário deixar a empresa antes do período, ele receberá um valor conforme acordado nos termos do vesting.

Gestão horizontal e autonomia

Assim como o nome mostra, contrapõe a gestão vertical, derivada da hierarquia, como uma forma mais participativa, em que as decisões são tomadas em conjunto e, portanto, tem a responsabilidade dividida entre os membros do time.

Os profissionais são incentivados a se posicionar e expressar sua opinião. Da mesma forma com que acontece com a responsabilidade, também ganham mais autonomia sobre seu trabalho.

Basicamente, esse modelo de gestão se apoia na ideia de que os trabalhadores são mais produtivos quando são envolvidos nos processos de decisão do que quando são supervisionados por uma cadeia de chefes.

Transparência e visão de futuro detalhada

Todos precisam entender a missão da startup, seja um candidato a uma vaga ou um funcionário já estabelecido. Eles também precisam receber todos os dados necessários para alcançar as metas, de muita confiança e transparência.

Claro que haverão dados sigilosos, mas a falta de alinhamento interno pode comprometer a startup.

O compartilhamento unifica a equipe, dá a todos um senso de propriedade, de reconhecimento, aumenta a motivação e o envolvimento com o negócio. O que eu vi funcionar muito bem até agora é:

  • Compartilhar a história da empresa como parte da orientação a novos funcionários;
  • Compartilhar regularmente o plano de operação, metas e objetivos, estratégias e cenário competitivo;
  • Compartilhamento de finanças, incluindo financiamento, receita, etc;
  • Compartilhar informações sobre vitórias e perdas;
  • Compartilhar detalhes sobre quem está trabalhando no que e no progresso feito;
  • Compartilhamento das apresentações de reuniões do conselho;

  • Compartilhar as metas para novas contratações.

Além do onboarding aos novos colaboradores, esse tipo de compartilhamento pode ser feito através de reuniões semanais para uma atualização geral, reports após cada reunião do conselho e revisões trimestrais detalhando os tópicos mais importantes.

Código de cultura claro

Mostrar uma cultura única é importante para ajudar a atrair grandes talentos. Muitas empresas têm uma declaração de valor bonita, mas os valores reais da empresa, são os transmitidos pelos seus sócios e colaboradores.

Os valores reais da empresa são os comportamentos e habilidades que você valoriza nos colaboradores. Seja específico em seu código de cultura e mergulhe nos traços de personalidade que seus principais funcionários e candidatos ideais têm, ou devem ter.

Em uma entrevista, tente identificar os valores pessoais dos candidatos e validar se há correspondência com os valores da startup.

Faça parcerias e busque indicações

Em torno de 60% das contratações bem sucedidas são por indicações. Estas contratações podem ter até cinco vezes mais qualidade do que uma busca tradicional.

Ninguém coloca o cargo e a reputação em risco com uma sugestão inapropriada, apontando alguém sem o talento necessário. Além disso, o churn de pessoas contratadas a partir de indicação é menor.

Estas indicações podem vir de sócios, colaboradores e também de outros profissionais da área, por isso faça networking.

Vale sempre lembrar que o networking é importante em todas as etapas de uma startup em crescimento, aproveite a oportunidade em eventos da área e espaços de coworking direcionados à startups.

Case de sucesso: Se inspire em quem faz bem

Um dos maiores aliados que uma startup pode ter para atrair os melhores talentos é o employer branding, que é a reputação da empresa como empregadora e como um lugar para trabalhar.

O Nubank, já avaliado em US$ 4 bi, ao longo de 2017 dobrou de tamanho e segue em ritmo forte de contratações. Já deram a letra para o mercado, eles estão contratando qualquer bom engenheiro ou cientista de dados sem pensar duas vezes.

Para alcançar esse sucesso, eles contam com uma equipe fantástica, certamente. Então, como eles atraem e mantêm os melhores?

Eles possuem o propósito de trazer opções mais acessíveis e desburocratizadas a quem utiliza um cartão de crédito, além de aproximar as pessoas do mercado financeiro, oferecer um atendimento de qualidade, personalizado, humanizado e facilitado.

É uma empresa jovem e continuará a ser mesmo daqui dez anos, juventude hoje nada tem a ver com a idade.

Assim como o atendimento, não há um padrão no recrutamento de novos colaboradores, cada time realiza da forma que preferir e o setor de recrutamento auxilia no processo, além de conduzir os onboardings.

Um ponto presente no processo seletivo é a diversidade, e a empresa também está começando a realizar eventos de recrutamento em outros estados.

E o que falar da sede? Espaço de trabalho amplamente colaborativo, uma decoração que estimula a criatividade, salão de jogos e recreação, terraço e jardins internos. Quem não gostaria de trabalhar em lugar assim?

Os melhores talentos não buscam só uma boa remuneração, eles querem mais que isso. A sua solução para o mercado, seu posicionamento, sua forma de contratar as pessoas e o local que você oferece para elas executarem seus trabalhos é o que irá atrair os melhores profissionais do mercado.

Você está sempre no modo de contratação se estiver crescendo. Sempre pense dois passos além. Tenha um funil de vendas de contratações em sua cabeça: de quem você precisará em 12 meses?

Nas startups, negócios e emoções estão interligados, especialmente nos estágios iniciais. É esse encontro de paixão e negócios que faz as equipes trabalharem duro, criarem ótimos produtos e superarem a falta de recursos.

Uma equipe de startup unida é lindo de ver, mas é preciso tempo, esforço, um pouco de sorte e sabedoria para construí-la. Invista na sua cultura organizacional, inove no modelo de contratações, faça parcerias e inspire-se em quem fez e teve sucesso.

Gostou das dicas de hoje? Aproveito para te convidar a conhecer a consultoria de inovação corporativa da Leap. Por meio dela, ajudamos as startups a resolver problemas e conquistar a vantagem competitiva necessária para o sucesso.